Teste negativo ou certificado Covid necessário para ir a hotéis em Portugal

Os hotéis em Portugal devem exigir que os turistas tenham um teste negativo ou um certificado de vacinação digital. Os finais de semana também serão necessários para acessar os locais de maior incidência.

Nesse momento, a incidência no país passou para 254,8 e a taxa de transmissão para 1,20 no território peninsular.

Em alto risco estão as vilas de Braga, Matosinhos, Paredes de Coura, Vila Nova de Gaia, Albergaria-a-Velha, Alenquer, Aveiro, Azambuja, Bombarral, Cartaxo, Constância, Ílhavo, Lagoa, Óbidos, Palmela, Portimão, Rio Maior , Salvaterra de MAgos, Santarém, Setúbal, Sines, Torres Vedras, Trancoso, Trofa, Viana do Alentejo, Vila Nova de Famalicão e Viseu.

Em muito alto risco estão Porto, Albufeira, Almada, Alcochete, Amadora, Arruda dos Vinhos Barreiro, Cascais, Lagos, Lisboa, Loulé, Loures, Lourinhã, Mafra, Mira, Moita, Montijo, Mourão, Nazaré, Odivelas, Oeiras, Olhão, Santo Tirso, São Brás de Alportel, Seixal, Sesimbra, Silves, Sintra, Sobral de Monte Agraço, Vagos e Vila Franca de Xira.

O toque de recolher é entre as 23:00 e as 05:00 horas enquanto que o horário de encerramento dos cafés e restaurantes será às 22:30. Por último, a mobilidade é permitida na área metropolitana de Lisboa durante este fim-de-semana

Condições e restrições para viajar a Portugal em setembro

A taxa de vacinação em Espanha e Portugal é uma das mais elevadas dos principais países da União Europeia. Os portugueses estão com 72% da população com o esquema vacinal completo, enquanto em Espanha ultrapassa os 69%.

Viajar para Portugal a partir de Espanha é possível, embora esteja sujeito a algumas restrições. Para quem atravessa a fronteira por via terrestre, não há controles e nem é necessário apresentar atestado de saúde.

No entanto, para quem viaja de avião, será necessário apresentar um teste de PCR negativo com 72 horas de antecedência, um teste de antígeno realizado com 48 horas ou o Certificado Covid da UE de vacinação completa com mais de 14 dias.

Outras medidas que devem ser tidas em conta uma vez em solo português são a apresentação do ‘passaporte Covid’ em restaurantes e bares aos fins-de-semana e feriados; no acesso a hotéis e alojamentos, ou em eventos com mais de 1000 pessoas exteriores e 500 interiores.

Em vez disso, uma PCR de 72 horas, um teste de antígeno de 48 horas, entre outros testes, também podem ser apresentados. Esses requisitos não são endossados ​​para crianças com menos de 12 anos de idade.

Por outro lado, Portugal já não tem toque de recolher. O comércio e a hospitalidade têm horários normais, embora ainda tenham algumas restrições de capacidade – oito pessoas na mesa interna e 15 externas. Quanto à vida noturna, ainda está fechada.

Possíveis efeitos colaterais após a vacinação contra COVID-19

A vacinação contra COVID-19 ajudará a protegê-lo contra a contratação de COVID-19. Você pode sentir efeitos colaterais, que são sinais normais de que seu corpo está construindo proteção. Esses efeitos colaterais podem afetar sua capacidade de realizar suas atividades diárias, mas devem desaparecer dentro de alguns dias. Algumas pessoas não apresentam efeitos colaterais.
Efeitos colaterais comuns
No braço onde você recebeu a vacina injetável:

• Dor
• Vermelhidão
• inchaço
No resto do corpo:

• Cansaço
• Dor de cabeça
• Dor muscular
• Calafrios
• Febre
• Náusea

O canabidiol pode reduzir o dano pulmonar causado pelo coronavírus

Pesquisadores do Dental College e do Medical College of Georgia relataram que o CBD, um componente da planta cannabis conhecido como canabidiol, pode ajudar a reduzir a inflamação causada pelo COVID-19 e outros sintomas em pacientes gravemente enfermos.
De acordo com o estudo, o CBD pode aumentar os níveis de apelina e, assim, reduzir os efeitos das “tempestades de citocinas”, reações imunológicas hiperativas que fazem com que células que deveriam defender determinados órgãos as ataquem. Este efeito, que geralmente ocorre como consequência de uma infecção, se manifestou em casos graves de pacientes com COVID-19.

FORTALECER O SISTEMA IMUNE

Segundo Likar, entre outros benefícios, o canabidiol fortalece o sistema imunológico, tem propriedades antiinflamatórias e ajuda a restaurar os níveis de oxigênio, para que os pulmões de pacientes com pneumonia por coronavírus se recuperassem mais rapidamente.
Esta clínica é a primeira e única na Áustria a tratar pacientes cobiçosos na UTI com canabidiol.
Outra vantagem do CBD no tratamento da covid é que ele não tem efeitos colaterais para os pacientes e seu uso não é contra-indicado com nenhum medicamento, enfatiza Likar.
Os especialistas alertam que, embora o CBD possa ter impactos positivos no tratamento do coronavírus, isso não significa que fumar maconha ou consumir canabidiol sem supervisão médica ajude a superar a doença.
Nesse sentido, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos aponta que o consumo dessas substâncias pode dar uma falsa sensação de segurança ou proteção, quando até agora a eficácia não foi totalmente comprovada.
A ONU reconheceu oficialmente as propriedades medicinais da cannabis em dezembro passado e retirou a planta da classificação de entorpecentes mais perigosos, o que vai incentivar as pesquisas com a planta.

Tratamiento con cannabidiol ayuda a superar antes la covid a enfermos en UCI

Un tratamiento con cannabidiol (CBD), componente no psicoactivo del cannabis, empleado en un hospital de Austria ha permitido a pacientes en la UCI superar antes el coronavirus gracias a sus propiedades antiinflamatorias.
“Administramos el CBD a 50 pacientes y observamos que los niveles de infección desaparecían con mayor rapidez”, explicó a Efe Rudolf Likar, jefe de Departamento de Anestesiología y Medicina Intensiva del Hospital de Klagenfurt.
Durante tres semanas se administraron primero 200 miligramos y luego 300 miligramos de CBD en forma de suero farmacológico a ese grupo de pacientes, tras lo que se pudo observar que sus PCR salían negativas antes que las de otros grupos que seguían tratamientos distintos.