EM LISBOA OFERECEM-LHE MEDICAMENTOS BRASILEIROS À LUZ DO DIA

Pois sim. Não é que eles tenham visto seu rosto como um usuário regular de maconha; é que em Lisboa oferecem-lhe drogas com toda a naturalidade e impunidade nos locais mais frequentados. Absolutamente nada acontece aos camelos porque o que eles trazem e oferecem não é realmente o produto prometido, mas uma falsificação muito bem feita, de modo que eles não possuem substâncias ilegais. Quem pode estragar é o estrangeiro que compra e depois descobre que não conseguiu o que queria, com a curiosa adição de não conseguir denunciar o fornecedor por motivos muito óbvios. Você não pode ir à polícia argumentando que você queria comprar drogas e eles lhe venderam o louro … O negócio é uma fraude muito limpa e a polícia não pode fazer nada a respeito. Portanto, a recomendação é dizer não, mesmo que queira comprar o produto.

porto santo

O Porto Santo é um destino conhecido pelas suas praias de areia dourada. A ilha da Madeira é famosa pelas suas piscinas naturais de origem vulcânica e calhau (cascalho vulcânico) e praias de areia preta. Na Madeira existem algumas praias importadas de areia amarela, e vários complexos de Spa, com piscinas e acesso direto ao mar, praticamente em toda a ilha. Temos várias praias marcadas com a bandeira azul, símbolo de garantia de qualidade.

 

Qualquer que seja a praia da sua preferência, a oferta é diversa, tal como as paisagens que o rodeiam, montanhas, dunas, falésias, baías e enseadas ... só tem que escolher.

Queima das Fitas

A Queima das Fitas é a maior festa estudantil de Coimbra, assim como a mais antiga. Acontece todos os anos no mês de maio e tem duração de oito dias, tantos quantos houver no corpo docente da Universidade.

Esta festa, que significa “queima de fitas”, é a celebração do fim dos estudos universitários para os que concluem a licenciatura. Recebe esse nome pela queima simbólica das fitas que representam cada corpo docente como forma de se despedir da Universidade. Embora esta seja a actividade mais representativa, ao longo do festival realizam-se outras como a Serenata Monumental, o Baile de Gala, a Venda da Pasta ou a Garraiada.

Festa das Latas ou Latada
A La Festa das Latas é uma festa de recepção aos novos alunos da Universidade, os caloiros.

Ao longo de uma semana, no mês de outubro, decorrem as atividades de integração dos recém-chegados à vida estudantil, até ao momento de pico, quando os veteranos baptizam os caloiros do rio Mondego com a ajuda de um mictório.

Festas da cidade de Coimbra e da Rainha Santa Isabel
No mês de julho dos anos pares, são celebradas as Festas da cidade de Coimbra e da Rainha Santa Isabel, padroeira da cidade.

Durante uma semana realizam-se numerosas atividades religiosas e seculares, entre as quais se destacam as duas procissões nas quais a imagem da Santa é transportada pela primeira vez do Convento de Santa Clara la Nueva para a Igreja de Gracia e, sete dias depois, é devolvida dita imagem ao seu lugar habitual.

Como você acende um baseado sem queimar muito?

Quando você acende um baseado, você deseja criar um equilíbrio perfeito da chama ao redor da brasa ardente. Quando não queima, a metade superior da junta é iluminada longitudinalmente. A chave para evitar isso é girar a junta lentamente para garantir que toda a ponta acenda igualmente. A paciência o ajudará a criar um baseado duradouro e totalmente iluminado, para que você não precise reacendê-lo.

Treinamento para futuros líderes na ‘Escola de Verão para Liderança Feminina’ da Huawei

Lisboa acolheu a primeira edição de um curso de formação para jovens talentosas. Um evento que reuniu, na capital portuguesa, 27 estudantes, de todos os países da União Europeia.
Falar em público, entrar em programação, algoritmos, cibersegurança ... E, também, aulas de bem-estar e atividades divertidas como a olaria. A programação semanal está lotada. Mas, além do conhecimento, o que você faz para que um líder seja inspirador? “É liderar pelo exemplo, liderar pela ação e é isso que almejam. Porque aí muitas coisas se juntam. É trabalho em equipe, ter capacidade de visão estratégica, organização ... muitas coisas!”, Diz Beatriz Becerra, coordenador do Júri. Para desenvolver essas habilidades, as mulheres são divididas em três grupos, a fim de demonstrar sua disposição para compromissos e pensamento inovador. Anne da Dinamarca é uma das líderes do grupo. A experiência também é desafiadora para a estudante de idiomas Aminata, da França, que se descreve como tímida.

Teste negativo ou certificado Covid necessário para ir a hotéis em Portugal

Os hotéis em Portugal devem exigir que os turistas tenham um teste negativo ou um certificado de vacinação digital. Os finais de semana também serão necessários para acessar os locais de maior incidência.

Nesse momento, a incidência no país passou para 254,8 e a taxa de transmissão para 1,20 no território peninsular.

Em alto risco estão as vilas de Braga, Matosinhos, Paredes de Coura, Vila Nova de Gaia, Albergaria-a-Velha, Alenquer, Aveiro, Azambuja, Bombarral, Cartaxo, Constância, Ílhavo, Lagoa, Óbidos, Palmela, Portimão, Rio Maior , Salvaterra de MAgos, Santarém, Setúbal, Sines, Torres Vedras, Trancoso, Trofa, Viana do Alentejo, Vila Nova de Famalicão e Viseu.

Em muito alto risco estão Porto, Albufeira, Almada, Alcochete, Amadora, Arruda dos Vinhos Barreiro, Cascais, Lagos, Lisboa, Loulé, Loures, Lourinhã, Mafra, Mira, Moita, Montijo, Mourão, Nazaré, Odivelas, Oeiras, Olhão, Santo Tirso, São Brás de Alportel, Seixal, Sesimbra, Silves, Sintra, Sobral de Monte Agraço, Vagos e Vila Franca de Xira.

O toque de recolher é entre as 23:00 e as 05:00 horas enquanto que o horário de encerramento dos cafés e restaurantes será às 22:30. Por último, a mobilidade é permitida na área metropolitana de Lisboa durante este fim-de-semana

Condições e restrições para viajar a Portugal em setembro

A taxa de vacinação em Espanha e Portugal é uma das mais elevadas dos principais países da União Europeia. Os portugueses estão com 72% da população com o esquema vacinal completo, enquanto em Espanha ultrapassa os 69%.

Viajar para Portugal a partir de Espanha é possível, embora esteja sujeito a algumas restrições. Para quem atravessa a fronteira por via terrestre, não há controles e nem é necessário apresentar atestado de saúde.

No entanto, para quem viaja de avião, será necessário apresentar um teste de PCR negativo com 72 horas de antecedência, um teste de antígeno realizado com 48 horas ou o Certificado Covid da UE de vacinação completa com mais de 14 dias.

Outras medidas que devem ser tidas em conta uma vez em solo português são a apresentação do ‘passaporte Covid’ em restaurantes e bares aos fins-de-semana e feriados; no acesso a hotéis e alojamentos, ou em eventos com mais de 1000 pessoas exteriores e 500 interiores.

Em vez disso, uma PCR de 72 horas, um teste de antígeno de 48 horas, entre outros testes, também podem ser apresentados. Esses requisitos não são endossados ​​para crianças com menos de 12 anos de idade.

Por outro lado, Portugal já não tem toque de recolher. O comércio e a hospitalidade têm horários normais, embora ainda tenham algumas restrições de capacidade – oito pessoas na mesa interna e 15 externas. Quanto à vida noturna, ainda está fechada.

Como Portugal se tornou referência mundial em regulamentação de medicamentos

A droga entrou com força em Portugal no fim da ditadura. Eles vieram de mãos dadas com a liberdade de criar uma verdadeira crise social. “Não havia família sem dependente”, lembra João Goulão, diretor do Serviço de Intervenção para Comportamentos Aditivos e Dependências (SICAD). Os governos democráticos tentaram atacar o problema com mão pesada: tolerância zero com os traficantes, e também com os consumidores, que perderiam o peso do sistema penal se fossem pegos em fragranti. Mas a situação só piorava: o consumo crescia na mesma proporção que as doenças infecciosas e a saturação das prisões. Até abril de 1999. Há 20 anos, o país mudou sua política e tornou-se uma referência mundial.

MAIS INFORMAÇÃO

14 bilhões são procurados para impedir as três infecções que mais matam
Seis razões para mudar a regulamentação de medicamentos
Chaves para reduzir os danos causados ​​pelas drogas
Foi então que o Governo aprovou uma nova estratégia que começaria a ser implementada dois anos mais tarde, após longas discussões com a sociedade civil e no Parlamento. A legislação estava longe de ser revolucionária: descriminalizar o consumo de quem carregava no máximo 10 doses de determinada substância ilícita. Não muito diferente do que acontece na Espanha, por exemplo. Mas o que fez a diferença foi a mudança na sensibilidade para com os dependentes químicos: eles deixaram de ser tratados como criminosos, programas de atendimento foram aplicados, substituição de heroína por metadona, foram inseridos no sistema de saúde para tratar suas doenças. Os resultados logo chegaram. Embora o consumo geral de entorpecentes não tenha diminuído, o da heroína e da cocaína, dois dos mais problemáticos, passou de 1% da população portuguesa para 0,3%; As infecções por HIV entre os usuários caíram pela metade (na população total, passou de 104 novos casos por ano por milhão em 1999 para 4,2 em 2015), e a população carcerária por motivos relacionados às drogas caiu de 75% para 45%, segundo dados da Agência de Desenvolvimento Piaget (Apdes

Plantações de cannabis medicinal em Évora

Sob pressão norte-americana, Portugal tornou o cultivo de cannabis ilegal na década de 1960. No entanto, novos regulamentos europeus tornaram legal o cultivo de cannabis sativa novamente na década de 1990, mas de forma limitada. O cultivo só é possível com a autorização expressa do Infarmed, o organismo regulador dos medicamentos em Portugal.

O processo de autorização é tão complicado que hoje pouco mais de uma dezena de pequenos produtores cultivam cânhamo para fins industriais. Eles reclamam que a Polícia não tem conhecimento da lei e muitas vezes procede com a apreensão e destruição de plantas que são legais.

Enquanto as autoridades bloqueiam a passagem de produtores legais, a administração portuguesa aprovou recentemente iniciativas estrangeiras, e desde 2014 a empresa Terra Verde – da qual participa a farmacêutica britânica GW Pharmaceuticals – tem autorização governamental para explorar uma plantação de cannabis sativa a poucos quilómetros da cidade alentejana de Évora.

100% da cannabis produzida nas suas instalações é transformada em pó que depois é exportada para as instalações da farmácia no Reino Unido, onde é utilizada em medicamentos destinados ao tratamento de doenças oncológicas, esclerose múltipla e epilepsia. Entre outras drogas, a GW Pharmaceuticals produz o Sativex, uma solução oral destinada na Espanha a pacientes com esclerose múltipla para reduzir a rigidez muscular.

O sucesso da operação da Terra Verde no Alentejo tem atraído outras empresas estrangeiras. O Infarmed, entidade reguladora de medicamentos portuguesa que também é responsável por autorizar a actividade relacionada com o cultivo de cannabis sativa, indica ao EL ESPAÑOL que estão a avaliar dois projectos apresentados por uma empresa israelita e outra canadiana para unidades de cultivo, produção e planta purificação. As operações das três empresas representam um investimento total de 107 milhões de euros em Portugal.

Para além das empresas farmacêuticas, grandes grupos de capitais de investimento, como o American Privateer Holdings – o maior grupo privado do mundo dedicado ao desenvolvimento do mercado legal de cannabis – manifestaram o seu interesse em lançar operações em Portugal. No passado mês de Outubro o CEO da empresa, Brendan Kennedy, anunciou que estava a negociar com o Governo português o investimento na jovem indústria do país com fábricas de tratamento de cannabis cultivada por terceiros.

História da Cannabis

Não é de estranhar que Portugal, que era uma potência mundial dominante, tenha entrado em contacto com a cannabis durante as suas anteriores operações no estrangeiro. É provável que os portugueses coloniais tenham encontrado a planta na Índia, Moçambique e Angola, em todos os países que estiveram sob controle português por muitos anos.

Acredita-se também que os portugueses introduziram a cannabis no Brasil no século 16, seja eles próprios ou por meio dos escravos que transportavam na época. A partir daí, é razoável concluir que os comerciantes portugueses trouxeram haxixe e cannabis para o seu país de origem durante vários séculos.

Portugal também tem uma história ilustre de cultivo de cânhamo. Seus habitantes usam a planta há séculos para fazer cordas e velas, o que pode ter contribuído para sua reputação como grandes marinheiros.