Como funciona o CBD?

Saber de onde vem o CBD é uma coisa, mas e aquela importante interação de que falamos?

Para que o CBD funcione, ele precisa de um ponto de contato: o sistema endocanabinoide. Seu nome pode parecer complicado, mas desempenha um papel bastante direto.

O sistema endocanabinoide ou SEC existe em todos os mamíferos, como cães e gatos, e até mesmo em animais não mamíferos, como o peixe dourado.

O papel da SEC em humanos é uma descoberta relativamente nova (no início dos anos 1990), e a razão pela qual sua investigação ainda está em andamento, mas a importância desse sistema não deve ser subestimada.

O que sabemos é o seguinte: a SEC funciona como um sistema regulador que desempenha um papel importante nos órgãos vitais, no cérebro e nos sistemas nervoso e imunológico.

Seu trabalho é examinar todos esses sistemas e certificar-se de que estão funcionando corretamente e de que obtêm os recursos de que precisam, quando precisam deles. Se por algum motivo não, ele tentará ajudar, liberando certos compostos biológicos e enzimas.

A CBD atua como CEO do seu sistema endocanabinoide.

Não está diretamente envolvido no seu funcionamento diário, mas garante que as enzimas e produtos químicos do seu corpo estejam onde precisam estar quando necessário. Mas o CBD também pode assumir e, às vezes, interagir com os receptores conectados à SEC.

FORTALECER O SISTEMA IMUNE

Segundo Likar, entre outros benefícios, o canabidiol fortalece o sistema imunológico, tem propriedades antiinflamatórias e ajuda a restaurar os níveis de oxigênio, para que os pulmões de pacientes com pneumonia por coronavírus se recuperassem mais rapidamente.
Esta clínica é a primeira e única na Áustria a tratar pacientes cobiçosos na UTI com canabidiol.
Outra vantagem do CBD no tratamento da covid é que ele não tem efeitos colaterais para os pacientes e seu uso não é contra-indicado com nenhum medicamento, enfatiza Likar.
Os especialistas alertam que, embora o CBD possa ter impactos positivos no tratamento do coronavírus, isso não significa que fumar maconha ou consumir canabidiol sem supervisão médica ajude a superar a doença.
Nesse sentido, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos aponta que o consumo dessas substâncias pode dar uma falsa sensação de segurança ou proteção, quando até agora a eficácia não foi totalmente comprovada.
A ONU reconheceu oficialmente as propriedades medicinais da cannabis em dezembro passado e retirou a planta da classificação de entorpecentes mais perigosos, o que vai incentivar as pesquisas com a planta.