Diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Para o diagnóstico do câncer de mama, são realizados os seguintes estudos:

Auto-exame das mamas.
Mamografia.
Eco da mama.
Biópsia da mama.
Quanto ao tratamento desta doença, vai depender do grau de complexidade de cada caso tratado:

Cirurgia (mastectomia ou mastectomia total).
Radioterapia.
Tratamento oral (anti-estrogênios).
Sessões de quimioterapia.
Sessões de radioterapia

Sintomas mais comuns de câncer de mama

Existem vários sintomas associados ao câncer de mama. Abaixo, mencionamos os mais comuns ou frequentes:

Protuberância, nódulo ou espessamento na mama.
Um grande aumento dos gânglios linfáticos, muito perto da axila.
Mudanças físicas nas mamas: cor, tamanho, textura, forma ou aparência.
Vermelhidão da pele, especialmente perto da aréola do mamilo.
Formação de depressão ou rugas na pele.
Secreções do mamilo.
Inversão ou retração do mamilo.
Descamação, formação de crostas ou descamação da pele da mama.
Dor ou desconforto na mama, semelhante ao de uma mastite.
Perda de peso.
Edema nos braços, sendo um sintoma infalível para detectar que o tumor é cancerígeno.
Protuberâncias (nós) na axila.

O que é câncer de mama?

O câncer de mama é um tipo de tumor criado nas células e estruturas das glândulas dos tecidos mamários. Ele pode se espalhar para o resto do corpo através dos vasos sanguíneos e vasos linfáticos, conhecido como metástase.

Este tumor pode ser de dois tipos:

Carcinoma ductal localizado: o desenvolvimento de células cancerosas começa dentro dos dutos da mama e se espalha para o resto do tecido mamário. Pode gerar metástases para outras partes do corpo.
Carcinoma lobular in situ: as células cancerosas crescem nos lóbulos da mama, espalhando-se no tecido mamário. Esse tipo de tumor é considerado pré-maligno, pois apresenta maior tendência ao desenvolvimento de metástases.
Outros tipos de câncer de mama também se destacam, como o angiossarcoma e a doença da mama de Paget.