Trinta anos de associações de cannabis

A primeira associação que teve a ideia de traduzir esta oportunidade de consumir cannabis em um espaço fechado com outras pessoas do papel para a realidade foi a Associação Ramón Santos para Estudos de Cannabis –a partir de agora ARSEC–, que –como se conhece Você pode ver - estava registrado com o nome de estudos quando seu pedido de registro como associação de consumidores foi rejeitado. Com que olhos as autoridades veriam o comportamento desses estudiosos? Você pode imaginar a sensação que esses primeiros associados devem ter sentido? Os leitores se lembram da primeira vez que entraram em um clube social de maconha e se perguntaram como diabos eles podiam estar fumando várias pessoas com o conhecimento da Administração e do Governo? Feito a lei, feito a armadilha.
Este episódio devido à legalidade da cannabis deixou o placar em zero no que diz respeito aos consumidores desta substância, portanto, um pouco mais a noroeste da Espanha, mais especificamente, no País Basco, uma ação foi movida pela associação de protesto Kalamudia com base no julgamento do STF, plantando para seus trezentos sócios, entre os quais pessoas de diferentes classes sociais, laborais e de pensamento, seiscentos pés de maconha, a fim de fornecê-los para atender às necessidades ditadas por seu livre arbítrio: a maconha usar. Com esta plantação de 1997, em que o Supremo Tribunal Federal estipulou, outra brecha foi aberta em Espanha, “a brecha basca”, dando uma pausa aos usuários de cannabis e a possibilidade de poder ir com cautela criando associações desta planta. Com o slogan “Contra a proibição, eu me levanto”, eles desafiaram a legislação, a política e a proibição das drogas em vigor na época. Devido a esta nova realidade que começava a surgir em nosso país, havia um lampejo de luz no túnel, mas a insegurança ainda ardia.
Hoje, em 2021, e depois de tantas lutas, vivemos um momento de crescente insegurança devido ao flagelo de um Estado que persegue e fecha as associações de cannabis, deixando um grande número de pessoas que delas dependem, tanto terapêuticas como lúdicas, com nada a aproveitar e banir para uma ilha deserta cada um dos dirigentes que, aos olhos de um juiz ou procurador, cometem crime de periculosidade abstrata, ou seja, consideram crime o simples fato de possuir maconha sem a necessidade de causar danos específicos e individualizados. A mudança foi dada pelas resoluções expedidas pelo Supremo Tribunal Federal - que materializa o auge do Judiciário em nosso país - em diversos processos que julgaram clubes sociais de maconha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *