Cannabis Sativa Sativa


Cannabis Sativa é uma subespécie de Cannabis Sativa L. cuja origem é encontrada em países equatoriais da Ásia, África e América, ou seja, lugares quentes. Hoje em dia é muito difícil encontrar sementes de variedades 100% Sativa.

As características que melhor definem esta planta são: a sua alta estatura, as suas folhas compridas e finas, o seu verde claro e a sua folhagem escassa.

Para o seu cultivo devemos saber que este tipo de cannabis cresce muito - pode ultrapassar os 4 metros de altura - por isso quando se trata de plantá-la ao ar livre podem chamar a atenção da nossa vizinhança. Seu ciclo de cultivo dura entre 10 e 16 semanas e devido à sua genética está mais bem adaptado a climas com temperaturas amenas.

Cannabis Sativa Sativa tem uma quantidade maior de canabinóides psicoativos do que outras variedades, então seus efeitos são fundamentalmente mentais, mas é claro que tudo depende da pessoa que ingere ou fuma e da variedade. Além disso, podemos encontrar alguns benefícios terapêuticos, como ser analgésico, aliviar a depressão, reduzir as náuseas e aumentar o apetite.

Plantações de cannabis medicinal em Évora

Sob pressão norte-americana, Portugal tornou o cultivo de cannabis ilegal na década de 1960. No entanto, novos regulamentos europeus tornaram legal o cultivo de cannabis sativa novamente na década de 1990, mas de forma limitada. O cultivo só é possível com a autorização expressa do Infarmed, o organismo regulador dos medicamentos em Portugal.

O processo de autorização é tão complicado que hoje pouco mais de uma dezena de pequenos produtores cultivam cânhamo para fins industriais. Eles reclamam que a Polícia não tem conhecimento da lei e muitas vezes procede com a apreensão e destruição de plantas que são legais.

Enquanto as autoridades bloqueiam a passagem de produtores legais, a administração portuguesa aprovou recentemente iniciativas estrangeiras, e desde 2014 a empresa Terra Verde – da qual participa a farmacêutica britânica GW Pharmaceuticals – tem autorização governamental para explorar uma plantação de cannabis sativa a poucos quilómetros da cidade alentejana de Évora.

100% da cannabis produzida nas suas instalações é transformada em pó que depois é exportada para as instalações da farmácia no Reino Unido, onde é utilizada em medicamentos destinados ao tratamento de doenças oncológicas, esclerose múltipla e epilepsia. Entre outras drogas, a GW Pharmaceuticals produz o Sativex, uma solução oral destinada na Espanha a pacientes com esclerose múltipla para reduzir a rigidez muscular.

O sucesso da operação da Terra Verde no Alentejo tem atraído outras empresas estrangeiras. O Infarmed, entidade reguladora de medicamentos portuguesa que também é responsável por autorizar a actividade relacionada com o cultivo de cannabis sativa, indica ao EL ESPAÑOL que estão a avaliar dois projectos apresentados por uma empresa israelita e outra canadiana para unidades de cultivo, produção e planta purificação. As operações das três empresas representam um investimento total de 107 milhões de euros em Portugal.

Para além das empresas farmacêuticas, grandes grupos de capitais de investimento, como o American Privateer Holdings – o maior grupo privado do mundo dedicado ao desenvolvimento do mercado legal de cannabis – manifestaram o seu interesse em lançar operações em Portugal. No passado mês de Outubro o CEO da empresa, Brendan Kennedy, anunciou que estava a negociar com o Governo português o investimento na jovem indústria do país com fábricas de tratamento de cannabis cultivada por terceiros.